terça-feira, 6 de maio de 2008

Errar é humano, mas persistir no erro é...

Em 2006, o PSDB insistiu em lançar Geraldo Alckmin como candidato à presidência da República, mesmo diante das pesquisas, que mostravam que José Serra tinha mais chances de derrotar Lula do que Alckmin. Lançou Geraldo e "piorou o erro", com uma campanha eleitoral pífia no segundo turno. Lula, logo após os debates na TV, abriu quase 11 pontos de vantagem para o candidato tucano. O PSDB foi virou uma praça de guerra, com os tucanos atirando uns nos outros, tentando achar um culpado para o fracasso.

Mas não aprenderam a lição. Em 2008, a persistência no erro continua. O PSDB formou uma sólida e eficiente aliança com o DEM (Democratas). Gilberto Kassab continuou o trabalho que Serra começou em 2004, ao vencer a eleição para a prefeitura de São Paulo e abandonou em 2006 para ganhar a eleição para o Governo de São Paulo. Kassab teve um começo turbulento, "bateu de frente" com a população, mas, aos poucos, foi ganhando prestígio com medidas polêmicas, porém, interessantes e eficientes, como a lei Cidade Limpa, a "Blitz" aos comerciantes irregulares e o investimento no Metrô.

A idéia era lançar Kassab como candidato da coligação e segurar Alckmin para a eleição do Governo de São Paulo em 2010. Nessa seqüência, José Serra sairia como candidato do partido para disputar a presidência. Mas o PSDB mostrou que não tem uma liderança, nem união e muito menos planejamento.

Aécio Neves, governador de Minas, se uniu à Alckmin, que rachou com Serra pelo apoio ao Kassab. Ufa! Nessa briga, surgiu um novo personagem, Aécio. Ele aparece com uma única intenção: ganhar força no PSDB para derrubar Serra e ser o candidato tucano em 2010 na disputa pela... presidência. Pronto. A guerra começou. Os 4 se atacam sutilmente, enquanto a ineficiente liderança psdbista assiste a luta e vê Lula sondar uma reeleição. Sim, Lula está, quietinho, como quem não quer nada, sondando um terceiro mandato. E tudo começou com uma pesquisinha de nada, só para saber se o povo queria que ele tentasse a reeleição. Agora, já foi feito até um estudo, que revelou que a população APROVA uma mudança na Constituição para que "Lulinha Paz e Amor" tente ficar mais 4 anos no poder.

E o PSDB...

5 comentários:

Susanna Martins disse...

Política é um assunto tão delicado, mas tão gostoso de se discutir que eu tenho até medo de começar a comentar. Tenho a minha opinião política e não mudo; eu sempre falo que Serra está no partido errado, ele um político, que na minha opinião, tem visão, é inteligente e com certeza será um grande... presidente!
Eu sou de esquerda, mas Lula tem ferido muito nossos ideias, nossos objetivos. Ele fez muita coisa, mas também deixou a desejar... Economia, saúde, educação e o caos aéreo... Eu estava assistindo o Jornal um dia desses e o IBOPE publicou uma prévia de eleições, e eu vou dizer uma coisa, se a Marta Suplicy for candidata pelo PT eu vou ter que ferir meus ideais, votarei no SERRA.
Mas o Brasil segue nessa guerra política e temos que está ai para lutar, a única maneira de lutar é votar e votar de verdade!

Juliana Petroni disse...

Pois é devemos ficar atentos a esses detalhes, essa "briga", pelos votos nas eleições municipais será decisiva, Alckmin prefeito? Mostra o enfraquecimento do PSDB. Acho bom o Serra abrir o olho pois a questão maior em pauta é a eleição presidencial.
Lula mais uma vez, ninguém merece!!!

Bjo

Euzer Lopes disse...

Vou fazer uma comparação tosca para você entender...
Serra-Alckimin-Aécio.
Isso parece briga de irmãos.
Aí vem a mãe, põe os três de castigo e eles perdem a festa da escola. E lá na festa acontece os grandes lances que os três vão ficar sem saber o que aconteceu.
Hoje, o PSDB é isso... "irmãos" brigam e acabam perdendo a festa - e o melhor dela.

Paula Calloni disse...

Claro que uma parte da população aprova o terceiro mandato, embora eu não ponha muita fé em tais pesquisas...Mas um governo assistencialistas desses, que dá, dá e dá, ao invés de ensinar o povo a pescar, só podia mesmo ter esse resultado. Pena que o mesmo povão não lê jornais; R$ 16.000,00 pra despesas funerais dos deputados, só pode ser brincadeira. A gente sustenta esses caras até depois da morte!

Breiller disse...

É a dinâmica do jogo político, meu caro. Às vezes, um partido abre mão da sua linha ideológica para encaixar algum mandato, nem que seja no cargo de vice do vice.

Em BH, especula-se a aliança entre PSDB e PT, que, no fim, representam basicamente os mesmos interesses. Não divergem em nada no que diz respeito à ideologia política.

E não duvide se Lula apoiar Aécio em 2010...