quarta-feira, 18 de junho de 2008

Liberdade(?) de imprensa

Até onde vai o direito de se expressar? Até onde a Imprensa pode publicar algo?

A polêmica voltou a tona com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral de multar a pré-candidata à prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy (PT) em R$ 42 mil. Além dela, a revista "Veja"e o jornal diário "Folha de São Paulo" foram multados, cada um, em R$ 21 mil. A rádio CBN também pode ser punida por uma entrevista realizada com a petista.

O assunto é tão polêmico e, até certo ponto, revoltante, que nem os possíveis adversários da petista aceitaram a punição. O prefeito Gilberto Kassab, do Democratas, discordou da decisão e disparou contra a atitude: "A justiça não pode confundir jornalismo com propaganda sob o risco de cercear a liberdade de imprensa garantida pela Constituição. O jornalismo, exercido em qualquer meio, é o olhar da nação, a fonte de informação que permite ao público formar sua opinião". O tucano Geraldo Alckmin seguiu o mesmo pensamento: "A imprensa tem o dever de informar, e a sociedade tem o direito à informação". Para Marta, a multa foi equivocada. Para ela "A imprensa tem o dever de informar", em um discurso que parece até ensaiado com o pré-candidato do PSDB paulista.

Essa seria a democracia tão divulgada e defendida pelos políticos? Uma democracia onde os candidatos à um cargo público só podem mostrar os planos para população cerca de três meses antes das eleições? Quantos candidatos a vereador não passarão em branco por falta de oportunidade para falar sobre as metas para cumprir durante o mandato?

E a imprensa, é punida por transmitir informações aos cidadãos.

É, sim, necessário ter limites, controle das propagandas, mas a lei precisa ser revista. Fazer campanha faltando apenas três meses para as eleições é ultrapassado, antigo. Por que não dar mais tempo para que os candidatos divulguem os projetos? Com atitudes como essa, quem irá se arriscar a ceder o espaço para os políticos comentarem? A mídia se fecha e se volta contra eles. A população fica com aceso restrito à informação e tem menos tempo para procurar saber mais sobre os candidatos. E não é essa a melhor saída para uma nação que se julga democrática.

*As falas dos políticos foram extraídas do jornal "O Globo", com circulação no Rio de Janeiro, do dia 18/06/2008.

13 comentários:

Juliana Petroni disse...

Pois é meu caro, estou indignada! acredito que nós (jornalistas)somos responsáveis por passar informações à população, é uma absurdo vemos esse tipo de atitude nos dias de hoje "censura" jamais.
bjo

Susanna Martins disse...

É incrível como isso ainda acontecesse em nosso tempo! Infelizmente temos que nos deparar com esse tipo de coisa!!
Vamos fazer sim uma blogagem coletiva com esse tema!!
Estou dentro, meu caro!!

Todos nós temos o direito de ir e vir, de falar, de fazer o que entender, mas com moderação!! Não temos que ser vetados, não podemos nos calar!!!
Abraçoos

Agda Gabriel disse...

Sim nós vivemos numa democracia! Mas somos dirigidos por uma minoria hipócrita e manipuladora. Verdadeiramente, não existe uma liberdade real nesse país! Vivemos essa ilusao há muito tempo. Somos constantemente manipulados. Quem sabe um dia a coisa muda e poderemos ter uma chance real de liberdade, principalmente a de expressão, que ao meu ver é uma das mais importantes! Sem vóz, o que será de nós?
Passando tbm para agradecer suas visitas queridas e seus comentários, que me deixam muito feliz, diga-se de passagem! Grande abraço!

iti disse...

Oi, td bem? Gostei muito de seu blog.
Estou fazendo parceria com alguns blogs, caso esteja afim, acesse Iti Martins
e deixe um coments la. abrss

Ego disse...

Liberdade de expressão o poder quer ter sempre, mas querem calar nossa liberdade que é a de informar.Nós jornalistas temos esse dever e não podemos nós calar

Muito bacana o seu blog!

Juliana Gulka disse...

Olha, nem sei o que foi a tal confusão... mas eu não gosto muito de "propaganda" política..imagine se liberassem mais tempo! Os ouvidos iriam virar pinico!!!
Mas enfim... Talvez uma simples entrevista, gerar toda essa confusão..talvez tenha sido exagero mesmo..

Beijooooo

Ego disse...

Olá jornalista!Vc está no meu blog, nos favoritos.Vc está sendo o primeiro q estou linkando, isso pq realmente, gostei mesmo do seu blog.
Como viu é ego de psicólogo e jornalista, mas acredito que mesmo sem ser assinado individualmente, dá pra distinguir.
Ah, não posto diariamente, umas 3 vezes por semana.Mas, naõ deixe de visitar e seja bem vindo.
abçs.

Euzer Lopes disse...

A tal liberdade de imprensa, ou de expressão (vou mais longe no conceito) criou situações inusitadas:
01. Quem fala o que quer, deve saber ouvir o que não gostaria.
02. Não existe liberdade de imprensa. Ou melhor, existe, desde que o jornalista concorde com a opinião do dono do veículo de comunicação.
03. Quando você "entrevista" uma celebridade, certamente outras se sentirão no direito de querer o mesmo espaço dado àquela anteriormente.
Aí, qualquer atitude frente a isso é erroneamente chamada de censura. E a polêmica é criada.
Por isso eu digo: quer ter a liberdade de expressão? Crie um blog. E esteja maduro para ouvir opiniões diversas das suas. Rebatê-las é um ato tirânico. E vai de encontro ao conceito de DEMOCRACIA.

Davi Arloy disse...

Eu tenho saudade das censura quando vejo um jornalismo manipulado e partidário como o da Veja e derivados. Mas enfim né?!

Abs

Michell Niero disse...

Existe uma grande contradição entre a constituição que envolve diretamente a liberdade de expressão do jornalista. Se de um lado o interesse público deve ser privilegiado,do outro aparece direito privado. Um impasse que já deveria ter sido resolvido.

Mas isto não é o suficiente, pois sabemos que está nas mãos das famílias que detém os principais órgãos de imprensa no Brasil os critérios de noticiabilidade. Muitas vezes, esses critérios, vale dizer, são obscuros e assustadores.

Acredito que as notícias irão mudar quando a sociedade se modificar; quando tivermos realmente uma opinião pública crítica e menos alheia. A liberdade irá crescer juntamente com a vontade de saber a respeito. Difícil é estabelecer uma data para isto ocorrer. Eu, como sou um cético incorrigível, creio que o mundo acabará antes.

naoqueroficarcareca disse...

E ai cara, blz? Poutz... Eu falei de lambida de vaca por conta de um outro post e vc comenta de lambida de cachorro? Que bizarro hahaha.

Meu, postei algumas dúvidas freqüentes na cabeça de carecas e não-carecas respondidas no meu blog. Dá uma lida lá!

Abç.
Pedro.

Ricardo disse...

Cada vez mais, nós comunicadores temos menos espaço. A sociedade se encobre de moralismo, e a liberdade de expressão vai virando um livro empoeirado na estante.

Vale uma visita no meu blog
http://sempreerrado.zip.net/arch2007-07-01_2007-07-07.html

forte abraço!!

Paula Calloni disse...

Ora essa, se nós jornalistas não pudermos entrevistar os candidatos, quem é que vai poder? O que dá o tom de propaganda é o modo como a entrevista é conduzida. Aí cabe ao público discernir qual veículo está fazendo jornalismo sério e qual está puxando a sardinha pra sua brasa. Mora?